By continuing you accept Avaaz's Privacy Policy which explains how your data can be used and how it is secured.
Got it
We use cookies to analyse how visitors use this website and to help us provide you the best possible experience. View our Cookie Policy.
OK

Roubadas pelo WhatsApp! Pesquisa Mostra que Eleições Brasileiras foram "inundadas" por Fake News


***A maioria dos eleitores entrevistados acreditou nas 5 maiores notícias falsas no momento do voto, inclusive quem decidiu apenas nas últimas semanas a votar em Bolsonaro ***

ENGLISH VERSION

NOVA YORK/SÃO PAULO (31 de Outubro de 2018).— Uma nova pesquisa comissionada pela Avaaz aponta o enorme alcance das fake news nas eleições brasileiras. A pesquisa, conduzida pelo IDEIA Big Data, perguntou aos eleitores se eles viram e acreditaram em cinco das fake news mais populares nas redes sociais durante as últimas semanas das eleições. Entre elas, histórias sobre urnas fraudadas para contabilizar votos automáticos para Haddad e boatos de que o candidato também queria distribuir "kits gays" nas escolas.

Impressionantes 98,21% dos eleitores de Bolsonaro entrevistados foram expostos a uma ou mais notícias falsas e 89,77% acreditaram que essas eram embasadas em verdade. 84% dos eleitores do Bolsonaro acreditaram na história dos "kits gays", e 74% sobre fraude nas urnas.

Em uma pesquisa subsequente, 40% dos entrevistados disseram ter mudado de posição nas últimas semanas de "oposição ou com dúvidas sobre" Bolsonaro para "decididos" ou "considerando votar" nele. Isso no mesmo período no qual essas notícias falsas atingiram o ápice de popularidade nas redes.

Os brasileiros têm clareza absoluta sobre o impacto negativo das fake news durante as eleições. Quase 80% dos entrevistados acha que as plataformas de redes sociais deveriam enviar correções das notícias falsas após a verificação de fact-checkers independentes.

Em reação ao resultado dessa pesquisa, Ricken Patel, CEO e fundador da Avaaz, disse:

"A democracia brasileira está se afogando em notícias falsas. Essas histórias foram armas tóxicas cuidadosamente fabricadas para destruir a elegibilidade de um candidato. E, com a ajuda do Facebook e WhatsApp, se espalharam rapidamente e foram tidas como algumas das histórias verdadeiras de maior alcance das eleições.

"Quantas democracias mais têm que morrer até que Mark Zuckerberg encerre essa loucura em suas plataformas? Precisamos urgentemente que o mundo abra os olhos para a maior ameaça que as democracias enfrenta hoje: um operação de desinformação da extrema-direita nas redes sociais."

"Se as empresas de Silicon Valley simplesmente deletassem todas as contas falsas e de impostores que espalham desinformação nas mídias sociais, distribuísse correções de agências de fact-checking independentes a todos os usuários expostos às notícias falsas, já seria um enorme obstáculo para atores mal intencionados. Nossas eleições estão a um passo de serem destruídas pelo Facebook. Precisamos urgentemente que ações sejam tomadas.

"Não podemos deixar que a criptografia do WhatsApp seja uma "terra de ninguém" para atividades criminosas. Ativistas pela democracia em países autoritários usam aplicativos mais bem encriptados como o Signal. No mínimo, o WhatsApp deveria ter como padrão uma "proteção contra a desinformação", dando aos usuários a opção de protegerem suas democracias e a si mesmos das fake news. Outras eleições se aproximam, como nos EUA, Índia e Europa; Zuckerberg tem semanas, e não meses, para tomar uma atitude."

A Organização dos Estados Americanos (OEA) afirmou que o fenômeno observado no Brasil de uso massivo de fake news para manipular o voto por meio de redes privadas “talvez não tenha precedentes." Diversas pesquisas conduzidas antes do segundo-turno por outros institutos concluíram que a maioria das notícias falsas eram direcionadas contra o Haddad e o PT.

Essas fake news viralizaram principalmente por meio das redes sociais -- mas histórias como "fraude nas urnas" ou do "kit gay" também foram reproduzidas em portais de notícias. O WhatsApp é usado por 120 milhões de brasileiros (mais de 50% da população do país) e foi uma das principais ferramentas para essa distribuição. Uma investigação conduzida pela Folha de S. Paulo, antes do segundo turno, revelou que empresários aliados de Bolsonaro financiaram um esquema ilegal de disparos em massa de mensagens pelo WhatsApp por meio da criação de até 300,000 grupos no aplicativo, atingindo até 77 milhões de brasileiros. O esquema está sob investigação no Tribunal Superior Eleitoral.

Metodologia empregada pela Ideia Big Data: Na condução desta pesquisa, a Ideia Big Data utilizou seu aplicativo mobile usado por mais de 700 mil brasileiros representando o espectro geográfico e socioeconômico do país. A pesquisa foi realizada de 26 a 29 de outubro e entrevistou 1.491 pessoas. Das 120,7 milhões de pessoas que acessaram a internet em maio, junho e julho deste ano, 49% utilizaram celulares. Enquanto 99% da Classe A têm acesso à internet, na classe C 69% dos domicílios têm acesso a Internet, e nas classes D e E o acesso chega a 30%, dos quais 80% se conectam por meio do celular. Fonte. De acordo com o IBGE, 138 milhões de brasileiros têm celular, de uma população total de 209,3 milhões de pessoas (IBGE 2017).

Detalhe dos principais resultados da pesquisa

Histórias que Haddad implementou um “kit gay”
  • Estimativa do eleitorado exposto à história: 73,9%
  • Porcentagem de eleitores do Bolsonaro entrevistados que viram a história: 85,2%
  • Percentagem de eleitores do Bolsonaro entrevistados que acreditam na história: 83,7%
  • Porcentagem de eleitores do Haddad entrevistados que viram a história: 61%
  • Porcentagem de eleitores do Haddad entrevistados que acreditam na história: 10,5%

Histórias sobre fraude nas urnas
  • Estimativa do eleitorado exposto à história: 86%
  • Porcentagem de eleitores do Bolsonaro entrevistados que viram a história: 93,1%
  • Porcentagem de eleitores do Bolsonaro entrevistados que acreditam na história: 74%
  • Porcentagem de  eleitores de Haddad entrevistados que acreditam na história: 22,6%

Histórias que Haddad defende pedofilia e incesto em um livro?
  • Estimativa do eleitorado exposto à história: 44%
  • Porcentagem de eleitores do Bolsonaro entrevistados que viram a história: 44%
  • Porcentagem de eleitores do Bolsonaro entrevistados que acreditam na história: 74.6%
  • Porcentagem de eleitores de Haddad entrevistados que acreditam na história: 9.8%

Para mais informações e entrevistas, escreva para media@avaaz.org.