Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Acabem com o comércio de sangue de éguas prenhas!

Aos membros do Parlamento, Comissão e Conselho Europeus:

Pedimos que seja banida a importação para a Europa de quaisquer produtos obtidos por meio de técnicas consideradas cruéis e que causem sofrimento aos animais. Como líder mundial em bem-estar animal, a Europa deve aplicar os seus próprios padrões aos produtos que importa.
Por favor acione o Javascript para uma performance melhor desta página
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

Aos membros do Parlamento, Comissão e Conselho Europeus:
"Pedimos que seja banida a importação para a Europa de quaisquer produtos obtidos por meio de técnicas consideradas cruéis e que causem sofrimento aos animais. Como líder mundial em bem-estar animal, a Europa deve aplicar os seus próprios padrões aos produtos que importa."

Mais informações:

Parece um filme de terror: centenas de éguas prenhas presas em máquinas de extração de sangue! Algumas ficam tão fracas que entram em colapso e morrem. Mas podemos acabar com isso agora.

A tortura industrial de cavalos é impulsionada por empresas farmacêuticas européias – elas usam o hormônio do sangue para acelerar a reprodução de animais na pecuária industrializada. Embora a União Europeia diga estar considerando medidas, até agora nenhuma foi tomada.

Nem mais uma égua precisa morrer! Os ministros se reúnem na semana que vem: vamos sacudir a União Europeia com um milhão de assinaturas pela proibição do comércio abusivo de sangue de éguas prenhas. Assine a petição e compartilhe com todos!

Compartilhe nas redes

Clique para copiar: