By continuing you accept Avaaz's Privacy Policy which explains how your data can be used and how it is secured.
Got it
We use cookies to analyse how visitors use this website and to help us provide you the best possible experience. View our Cookie Policy.
OK
Senado Federal: Contra a aprovação da MP 630/2013

Senado Federal: Contra a aprovação da MP 630/2013

4,634 have signed. Let's get to  5,000
4,634 Supporters

Close

Complete your signature

,
By continuing you agree to receive Avaaz emails. Our Privacy Policy will protect your data and explains how it can be used. You can unsubscribe at any time.
This petition has been created by CAUBR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do B. and may not represent the views of the Avaaz community.
CAUBR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do B.
started this petition to
Senado Federal
O Conselho de Arquitetura e Urbanism do Brasil (CAU/BR) repudia veementemente a MP 630/13, que amplia o Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) para todos os tipos de licitações e contratos de engenharia e arquitetura - tanto de obras quanto de serviços - em todas as esferas administrativas.

O RDC permite a "contratação integrada" das obras públicas, o que deixa por conta das empreiteiras a incumbência de "projetar, construir, fazer os testes e demais operações necessárias e suficientes para a entrega da obra".

Em outras palavras, a contratação da obra é feita antes de existir projeto! Daí, sem conhecer o que contratou, o governo não tem como fiscalizar nem como ter certeza dos custos reais da obra.

SÃO MUITOS OS RISCOS ENVOLVIDOS:

- A falta de transparência prejudica o direito do cidadão de ver seu dinheiro bem empregado;
- A qualidade da obra é negligenciada em favor do lucro maior;
- Sem um projeto completo elaborado antecipadamente à licitação das obras, a administração não tem parãmetros orçamentários para garantir o preço justo e controlar o aumento de custos;
- Os tribunais de contas terão seus trabalhos praticamente inviabilizados.

A MP 630/13 compromete o dever do Estado de planejar as áreas públicas de nossas cidades, transferindo-o para as empreiteiras.