Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
DIGA NÃO À DESTRUIÇÃO DO SALÃO DE FESTAS MODERNISTA DE GREGORI WARCHAVCHIK NO PINHEIROS

DIGA NÃO À DESTRUIÇÃO DO SALÃO DE FESTAS MODERNISTA DE GREGORI WARCHAVCHIK NO PINHEIROS

1,012 assinaram. Vamos chegar a   2,000
1,012 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por JOSE CANDIDO DE O. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
JOSE CANDIDO DE O.
começou essa petição para
ASSOCIADOS E NÃO ASSOCIADOS
A diretoria do Esporte Clube Pinheiros estabeleceu uma concorrência de projetos para reformar o seu Salão de Festas, levando o Conselho Deliberativo do clube a escolher um projeto que desfigura a volumetria do edifício para evitar uma nova tentativa de tombamento.
Esse projeto, na realidade, destroi o prédio, uma obra histórica do arquiteto precursor da Arquitetura Moderna no Brasil, Gregori Warchavchik. Atualmente a produção deste arquiteto está exposta no Museu Lasar Segal e no Instituto Cultural Itaú, com o projeto do Salão como parte integrante desta exposição.
Palco de inúmeros acontecimentos sociais, culturais e políticos da época ( anos 50 ), o Salão de Festas representa um conjunto de referências arquitetônicas de valor incalculável. Seu valor histórico ultrapassa os portões do clube.
O Salão foi tombado pelo Conpresp em março de 2018 e destombado três meses depois, de forma inexplicável, incompreensível.
Precisamos de sua ajuda, de seu apoio, para divulgar e impedir a absurda destruição deste importante e valioso edifício, marco da Arquitetura Moderna brasileira.
Preservar uma obra considerada patrimônio arquitetônico não é uma questão de gosto ou vertente política. É questão de preservação de aspectos da vida em sociedade, como educação, arte, cultura, história, memória afetiva, identidade e lazer.
Patrimônio histórico não é de ninguém. É de todos.