Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Contra a doação do Viveiro de Cotia e do Parque CEMUCAM

Contra a doação do Viveiro de Cotia e do Parque CEMUCAM

4,198 assinaram. Vamos chegar a   5,000
4,198 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Marilia Fanucchi F. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Marilia Fanucchi F.
começou essa petição para
Fernando Haddad, Prefeito de São Paulo,
Ricardo Teixeira, Secretario do Verde e do Meio Ambiente,
Gilberto Natalini, Vereador,
Nabil Bonduki, Vereador,
Ricardo Young, Vereador,
José Police Neto, Vereador,
Toninho Vespoli, Vereador,
Floriano Pesaro, Vereador,
Mario Covas Neto, Vereador
O MOVIMENTO PELA VIDA DO PARQUE CEMUCAM E DO VIVEIRO HARRY BLOOSFELD ESTÁ ATIVO E ATENTO

A Prefeitura de São Paulo e a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente - SVMA, querem doar o Parque Municipal CEMUCAM e o Viveiro Harry Blossfeld para Cotia.
O CEMUCAM (com uma área de 500 mil m²) pertence à Prefeitura de São Paulo desde os anos 60, resultante de uma permuta com o governo do Estado. Ou seja, o Município de São Paulo abriu mão de um patrimônio em troca de outro, e nele implantou o Viveiro de Cotia, rebatizado com o nome de seu idealizador, Harry Bloosfeld. Considerado o maior viveiro do Brasil dedicado à conservação da vegetação natural (com uma área de 665 mil m²) e o único dentre os três viveiros municipais que produz árvores para abastecer a capital paulista em novos plantios, como também em substituição de espécies senis ou doentes.

A justificativa dada para tal doação foi "a redução de custo com a administração de parques..."
Ora, como isso justifica DOAR um dos únicos Parques Municipais produtivos? E, além disso, "ABRIR MÃO" de um patrimônio público?

As árvores plantadas em vasos e diversas embalagens, de diferentes idades e tamanhos passam de 330 mil. As plantadas no chão, matrizes ou prontas para transplante passam de 20 mil. Contabilizando apenas as diferentes espécies de palmeiras, também plantadas, o número passa de 15 mil.
Mesmo que a prefeitura transfira estufas climatizadas, estufins, ripados, quadras, laboratórios e equipamentos para irrigação e a germinação de sementes para outro lugar, o banco genético é intransferível e com um valor incalculável.
Montar um novo viveiro custaria aos cofres públicos uma fortuna e levaria entre 20 e 30 trinta anos para se ter nova produção de sementes a partir de novas matrizes provenientes dessa transferência, deixando sem resposta algumas questões:
1) Por que gastar dinheiro público para a montagem de um outro viveiro se já temos um?
2) Por quanto tempo será interrompida a produção anual de 150 quilos de sementes e a geração de 90 mil mudas do Viveiro Harry Blossfeld?3) Enquanto não houver um novo viveiro, compraremos as mudas no padrão DEPAVE necessárias para a arborização da Cidade de São Paulo?4) De onde sairá a verba para pagar as árvores a serem adquiridas de viveiros particulares por licitação, conforme anunciado pela Prefeitura de São Paulo em nota no jornal (OESP, 29/05/2013)?
5) Qual será o destino de toda a fauna que habita a área do Parque e do Viveiro? Animais de mais de 120 espécies diferentes entre aves, mamíferos etc., que se alimentam dos frutos, flores, folhas e sementes , integrantes do ecossistema natural?
6) e as instalações do Parque CEMUCAM, antigo centro de campismo, que fez e faz parte da história dos habitantes dessa cidade, com quadras, churrasqueiras, salão de festas, além dos imensos galpões usados como deposito da SVMA?
É um absurdo abrir mão de um patrimônio riquíssimo em variedade de espécies arbóreas, produzidas com qualidade e NOSSAS, em troca de mudas de origem desconhecida e qualidade duvidosa já que, como estabelece a Lei de Licitações e Contratos (Lei no. 8.666/93), o menor preço é o "mais vantajoso para Administração" e é o vencedor num processo licitatório.
É um crime abandonar o patrimônio ambiental lá presente, perfeitamente adaptado ao uso compartilhado entre humanos e outros animais e toda a flora local.Isso é inadmissível na gestão de um patrimônio público!

O projeto, em fase de elaboração, será enviado para a Câmara dos Vereadores para aprovação. Serão os senhores vereadores, eleitos por nós, os responsáveis pela aprovação ou não dessa DOAÇÃO de um PATRIMÔNIO PÚBLICO.

Daí a importância de sua manifestação: deixe claro que você quer ser bem representado e seu voto não foi perdido. Assine a petição que será encaminhada a todos os Vereadores do Município de São Paulo, ao secretário do Verde e do Meio Ambiente e ao Prefeito de São Paulo.
Ajude a cuidar de nosso patrimônio e zelar pela aplicação do dinheiro público arrecadado com os impostos!

Para saber mais:
Reportagem da Folha de São Paulo publicada em 31/05/2013http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/05/1287675-prefeitura-de-sp-quer-doar-viveiro-de-arvores-que-abastece-capital-a-cotia.shtml
Viveiros Municipais http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/livreto-viveiros_1354643842.pdf

Estoque do Viveiro Harry Bloosfeld
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/meio_ambiente/viveiros/On%20line%2020130516.pdf