Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Carta de repúdio às declarações do atleta Felipe Melo da Sociedade Esportiva Palmeiras

Carta de repúdio às declarações do atleta Felipe Melo da Sociedade Esportiva Palmeiras

358 assinaram. Vamos chegar a   2,000
358 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Luís Henrique B. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Luís Henrique B.
começou essa petição para
Felipe Melo e Sociedade Esportiva Palmeiras
Carta de repúdio às declarações do atleta Felipe Melo

Nós, torcedores da Sociedade Esportiva Palmeiras, repudiamos as declarações do atleta Felipe Melo que, em vídeo veiculado na internet, declarou não apenas apoio ao deputado Jair Bolsonaro (PSC‐RJ), como chamou parte da torcida palmeirense que participou da greve geral de 28 de abril de “vagabundos”, clamando que ela fosse alvo de agressões.

As atitudes do atleta ofendem grande parte da coletividade palmeirense, composta por torcedores de todas as matizes políticas, gêneros e etnias, incluindo gays, negros, perseguidos pela ditadura civil‐militar, aqueles alinhados com a esquerda do espectro ideológico ou simplesmente progressistas que repudiam as atitudes racistas, homofóbicas e misóginas como as do deputado Jair Bolsonaro.

O deputado Jair Bolsonaro, alvo de diversas representações na Câmara dos Deputados, de investigação na Procuradoria‐Geral da República e réu no Superior Tribunal Federal por incitação ao crime de estupro, é conhecido por seu discurso de ódio contra minorias, mais reiteradamente contra negros, mulheres, homossexuais e perseguidos pela ditadura. Entre suas declarações, como veiculadas pela imprensa, podemos relembrar:

“O erro da ditadura foi torturar e não matar.”

“Seria incapaz de amar um filho homossexual. Não vou dar uma de hipócrita aqui: prefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí”.

"Não vou combater nem discriminar, mas, se eu vir dois homens se beijando na rua, vou bater”.

“Ô Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco. Meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como, lamentavelmente, é o teu” (em resposta à cantora Preta Gil que perguntou ao deputado o que ele faria se um filho dele se apaixonasse por uma negra).

"Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem pra procriador ele serve mais".

Com estas declarações você concorda, Felipe Melo? “Bolsonaro neles”? É isto que você pensa ao olhar para Zé Roberto, Thiago Santos, Jaílson e Michel Bastos? Depois de sofrer ofensas racistas no jogo contra o Peñarol pela Libertadores você apoia um deputado que usa do mesmo expediente?

E quem são os “vagabundos”, Felipe Melo? Aqueles que foram para as ruas protestar na última greve geral do dia 28 de abril? Saiba que entre estes “vagabundos” estavam presentes milhares de torcedores da Sociedade Esportiva Palmeiras, facilmente identificáveis por ostentar nas ruas a camisa do seu clube de coração. Torcedores‐trabalhadores que, assim como 71% dos brasileiros, rejeitam uma reforma da previdência que retira seus direitos.

Suas declarações desrespeitam não apenas a coletividade palmeirense como também a história da Sociedade Esportiva Palmeiras, alvo em seu passado de perseguições políticas por parte de um governo fascista que nos obrigou a mudar de nome enquanto nossa torcida, à época composta por imigrantes italianos, era xingada de “quinta‐coluna” e tomavam “pau” nas ruas e na imprensa. Suas declaração também desrespeitam toda uma série de atletas negros que fizeram nossa história. Caso você não queira ler o livro que conta nossa história, cuja edição você recebeu das mãos do diretor de futebol Alexandre Mattos, basta olhar as fotos dos inúmeros atletas negros vencedores que compõem as paredes dos vestiários de nosso estádio.

Nos episódios recentes em que você foi alvo de racismo e agressões, toda a nossa torcida ficou ao seu lado. Em campo, nós sempre o defenderemos por honrar esta camisa com 102 anos de história. Fora dele, Felipe Melo, somos nós que queremos ser respeitados.

Um atleta não veste apenas a camisa de um clube. Veste também a sua história. E a história da Sociedade Esportiva Palmeiras repudia qualquer tipo de preconceito. Vista esta história.