Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Governo do Distrito Federal, Secretaria de Habitação do Distrito Federal: Pedimos aos nossos governantes uma visão estratégica e de futuro.

Governo do Distrito Federal, Secretaria de Habitação do Distrito Federal: Pedimos aos nossos governantes uma visão estratégica e de futuro.

3,160 assinaram. Vamos chegar a   4,000
3,160 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Teresa Cristina K. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Teresa Cristina K.
começou essa petição para
Governo do Distrito Federal, Secretaria de Habitação do Distrito Federal
A Embrapa Cerrados localizada próxima à cidade de Planaltina, no Distrito Federal, é uma das 47 unidades da Embrapa e foi criada em 1975. Essa unidade foi a responsável por boa parte das pesquisas que permitiram a incorporação dos Cerrados Brasileiros ao processo de produção agrícola, uma das maiores conquistas da agricultura tropical no século XX.

Técnicas de correção e adubação do solo, seleção de bactérias que substituem adubos nitrogenados, desenvolvimento de cultivares de soja, trigo e espécies forrageiras adaptadas à região, são algumas das tecnologias que foram desenvolvidas na Embrapa Cerrados e que hoje, além de extensivamente utilizadas pelos agricultores da região, também são exportadas para vários outros países.

Entretanto, na iminência de completar 40 anos de bons serviços prestados ao país, seus empregados foram surpreendidos com uma decisão do Governo do Distrito Federal (GDF), que lamentavelmente marcará o início do fim da unidade de pesquisa caso, seja concretizada. O GDF solicitou a desocupação de uma área de 300 ha (equivalente a 20% do campo experimental), às margens da rodovia BR-020 e que vem sendo utilizada em pesquisas há exatos 35 anos, para a construção de um residencial populacional com 4.900 unidades habitacionais. Não somos contra a construção de moradia para a população mais carente, porém existem áreas alternativas que foram oferecidas ao GDF.

A área pleiteada pelo GDF é diretamente responsável pela geração e validação das várias tecnologias que permitiriam a inserção do Cerrado ao processo agrícola. Desde 1995, vem sendo utilizada para experimentação com manejo de pastagens, visando buscar soluções para um dos grandes passivos ambientais que a região do Cerrado possui atualmente: seus 35 milhões de hectares de pastagens degradadas.A perda dessa área, representativa do bioma Cerrado e com características única dentro da Embrapa Cerrados, resultará não só na perda de 35 anos de pesquisas numa área que gerou e está gerando dados que impactam a agropecuária brasileira, mas também na perda de todo um futuro de possibilidades, que hoje se encontra ameaçado pela insegurança jurídica que paira sobre nossos campos experimentais. A ruptura no processo de coleta das informações nessa área representa um prejuízo irreparável ao avanço do conhecimento e das pesquisas, que vão muito além dos limites geográficos do Distrito Federal.

Além dos prejuízos para a pesquisa, a mudança dos campos experimentais para um complexo habitacional para 20.000 pessoas trará também impactos ambientais relacionados ao consumo dos escassos e sensíveis recursos hídricos da região. Até 2009, antes da promulgação do novo Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT) do Distrito Federal, a referida área fazia parte da zona de amortecimento da Estação Ecológica de Águas Emendadas onde estão localizadas as nascentes de duas das mais importantes bacias hidrográficas brasileiras: Araguaia-Tocantins e Paraná.

No Brasil, o aumento da produção agrícola ocorreu pela incorporação de tecnologias e não pela expansão das áreas cultivadas, o que reforça a importância estratégica da pesquisa para o pais. Inúmeros estudos mostram que a pesquisa agropecuária ajuda a melhorar a vida do povo brasileiro. O aumento da oferta de alimentos promoveu uma queda no índice de preço da cesta básica da ordem de 5% ao ano no período de 1975 a 2006. Hoje, a cesta básica custa 20% do que custava em 1975, impactando diretamente no poder de compra do salário mínimo, que nesse mesmo período aumentou em torno de 160%.