Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Justiça Federal de Florianópolis - Santa Catarina: Ajude a Proteger as Baleias Franca e seus Filhotes no Litoral de SC

Justiça Federal de Florianópolis - Santa Catarina: Ajude a Proteger as Baleias Franca e seus Filhotes no Litoral de SC

2,252 assinaram. Vamos chegar a   3,000
2,252 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por AMA - Associação Comunitária Amigos do Meio Ambiente Garopaba - SC - B. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
AMA - Associação Comunitária Amigos do Meio Ambiente Garopaba - SC - B.
começou essa petição para
Justiça Federal de Florianópolis - Santa Catarina,
Ministério do Meio Ambiente

Pedimos seu apoio para o grito de NÃO MOLESTAR as BALEIAS FRANCAS nas praias do sul do Estado de Santa Catarina aonde elas vêm nos meses de maio a novembro para parir e alimentar seus filhotes.
Após a proibição da caça das baleias na década de 1970, apenas nos anos 1990 elas voltaram a frequentar nossas enseadas na época da procriação. Atualmente existem outras ameaças e formas de molestamento a elas: a aproximação de barcos, helicópteros e jetskies, além de redes de
espera de pesca. As Baleias Francas são animais impressionantes e têm um comportamento único entre os cetáceos. É a única espécie que se aproxima muito das praias e usa as enseadas da nossa região como seu berçário, o que motivou o ICM-Bio a criar a Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca - APA-BF.
Utilizando sua extraordinária capacidade de flutuação, protegem seus filhotes recém-nascidos (nos primeiros dois meses, a mãe leva o filhote para a superfície para a aprender a respirar, pois eles ainda têm pouca força muscular). Durante o período que ficam aqui a mãe o alimenta com seu leite para que aumente de tamanho e engorde, pois precisam ter energia para a longa jornada de volta até a Antártida.
Desde a década de 1990 vinha existindo a atividade de avistagem de baleias a partir de barcos. Devido ao interesse
de turistas em chegar muito perto dos animais, os barcos comumente se aproximavam demais das Baleias (embora
a regra fosse manter no mínimo 100 metros de distância). Essas atitudes diversas vezes provocaram colisões e reações de afastamento das baleias, fazendo com que elas se movessem em direção a outras praias. Também surgiram estudos e evidências de que o som dos motores das embarcações reverbera nos costões das enseadas, interferindo no sistema decomunicação deste cetáceo, gerando estresse. Como muitas vezes as baleias se afastavam após a aproximação dos barcos, esta prática prejudicava quem estivesse observando os animais por
terra, que vem a ser uma opção de observação mais ética e socioeconomicamente mais adequada nesta região. Além disso, a aproximação excessiva das embarcações também gerava riscos aos turistas.
Por esses motivos a Justiça Federal proibiu a APA da Baleia Franca de expedir licenças para a atividade de Turismo de Observação de Baleias Embarcado
a partir de uma ação movida pelo Instituto Sea Shepard em maio de 2013. Contudo, existe na nossa região um movimento de empresários do turismo para que essa atividade volte a ser permitida, alegando que uma fiscalização por parte da APA-BF impediria molestamentos e que os ganhos de sensibilização ambiental obtidos a partir dessa atividade seriam compensadores. Argumentos que não condizem com as necessidades das baleias e com o objetivo que faz com que elas venham para esta região: procriação e amamentação. Momento delicado na vida de um imenso mamífero!
Por outro lado, existe um grande e crescente movimento de pessoas e entidades no território que estão convencidas que esta pretendida fiscalização - que exigiria aporte de recursos dificilmente disponibilizados aos órgãos competentes - não impediria o molestamento. Pelo contrário, colocaria mais embarcações a molestar as baleias e seus filhotes com ruídos e colisões.
Nossas enseadas com costões facilmente acessíveis, repleto de trilhas em áreas de natureza exuberante, oferecem condições privilegiadas para o avistamento das baleias por terra, além do conhecimento e valorização da fauna e flora da região, com a possibilidade de acompanhamento por guias especializados.

Por isso, pedimos seu apoio para enviar à Justiça Federal de Florianópolis a solicitação urgente de que MANTENHA A PROIBIÇÃO DO TURISMO DE OBSERVAÇÃO DE BALEIAS EMBARCADO (TOBE) NA JURISDIÇÃO DA APA DA BALEIA FRANCA.
AMA - Associação Comunitária Amigos do Meio Ambiente/Garopaba/SC

Sea Shepherd/Florianópolis/SC
ONG Ferrugem Viva/Garopaba/SC
Movimento SOS Rio da Madre.

Filhas do Mar/Garopaba/SC

EcoSurf /Imbituba/SC