Pare a fábrica de sementes mutantes

Para a presidente Cristina Kirchner, o prefeito de Malvinas Argentinas e autoridades de Córdoba:

Como cidadãos globais preocupados, pedimos-lhe que pare imediatamente os planos da Monsanto para a construção de um enorme laboratório de sementes transgênicas em Córdoba e consulte a comunidade local. A fábrica e os pesticidas que serão usados podem representar sérios riscos à saúde da população local e prejudica o direito das pessoas de decidir que tipo de alimento é produzido e consumido em suas comunidades. O governo deve garantir que a política de transgênicos, na Argentina, reflita os desejos de seus cidadãos.

Já participa da Avaaz? Digite seu email e clique "Enviar":
Primeira vez? Por favor preencha o formulário:
Avaaz.org vai proteger sua privacidade e manter você informado sobre esta e outras campanhas semelhantes.

Postado:  16 dezembro 2013
A Monsanto está ampliando seu poder sobre o mundo, com uma nova fábrica enorme de sementes mutantes na Argentina. Sofía Gatica e outros vizinhos do local se manifestaram, e ela recebeu ameaças de morte e foi espancada de forma desumana. A ameaça é iminente: vamos apoiá-los e parar essa fábrica.

A Monsanto fabrica sementes transgênicas que, quando combinadas com pesticidas tóxicos, criam as devastadoras 'monoculturas' – onde nada mais cresce, apenas uma única planta - que estão dominando cada vez mais o nosso planeta. Agora, eles planejam construir uma das maiores fábricas de sementes transgênicas do mundo, na província de Córdoba.

Sofía, preocupada com os riscos à saúde que podem ser causados pela fábrica, juntou-se aos protestos, apoiados por cerca de 70% dos moradores da região. Se um milhão de nós nos juntarmos ao povo de Malvinas Argentinas nos próximos três dias, poderemos aumentar a visibilidade da questão nos meios de comunicação locais, colocar a petição em uma campanha publicitária e pressionar a impopular presidente da Argentina a fechar a fábrica e reverter a disseminação da agricultura tóxica da Monsanto:

Compartilhe nas redes

Clique para copiar: