Clique em Configurações de Cookies para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os 'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Governo do Estado de São Paulo: Justiça para Luana Barbosa dos Reis, mulher negra lésbica morta pela PM

Governo do Estado de São Paulo: Justiça para Luana Barbosa dos Reis, mulher negra lésbica morta pela PM

13,588 assinaram. Vamos chegar a   20,000
13,588 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Paulo Cesar Pereira O. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Paulo Cesar Pereira O.
começou essa petição para
Governo do Estado de São Paulo,
Secretaria de Segurança Pública de São Paulo,
Comando Geral da Polícia Militar do Estado de SP,
Corregedoria da Polícia Militar do Estado de SP,
Conselho Estadual de Participação da Comunidade Negra
Luana Barbosa dos Reis saía de casa no
dia 09 abril de 2016, por volta das 19h, para levar o filho de 14 anos a um
curso de informática, quando foi abordada por três policiais militares, e brutalmente
espancada na frente do próprio filho.


Foi levada para o 1° Distrito
Policial de Ribeirão Preto, onde foi registrado um termo circunstanciado. Quando liberada,
familiares registraram em vídeo a situação de Luana, suja, cheia de hematomas, com
a fala enrolada e quase inconsciente. Internada na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas, veio a falecer no dia 13, sofrera uma isquemia cerebral aguda
causada por politraumatismo crânio-encefálico. A família doou seus órgãos.


Em entrevista ao Portal G1 o tenente coronel da
PM, Francisco Mango Neto afirmou que Luana se mostrou exaltada, e que o
uso da força foi necessário para contê-la. Oras, que perigo representa uma
mulher desarmada diante de policiais treinados e armados pelo Estado?

Testemunhas que temem se
identificar afirmam ter visto Luana levar muitos golpes de cassetete e capacete.

Luana foi mais um vítima do racismo e do feminicídio lesbofóbico praticado pelo Estado. Basta!

Exigimos afastamento e punição imediata dos policiais envolvidos.

Exigimos que se garanta a segurança dos familiares de Luana e das testemunhas.

Centro Cultural Orùnmilá

(Confira matéria completa http://ponte.org/a-historia-de-luana-mae-negra-pobre-e-lesbica-ela-morreu-apos-ser-espancada-por-tre...)




Postado: 25 abril 2016 (Atualizado: 1 maio 2016)