Clique em Configurações de Cookies para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os 'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Professor Lupércio: Recuperação Urbana da Cidade Tabajara em Olinda

Professor Lupércio: Recuperação Urbana da Cidade Tabajara em Olinda

213 assinaram. Vamos chegar a   500
213 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Ricardo B. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Ricardo B.
começou essa petição para
Prefeito da Cidade de Olinda Professor Lupércio
Cidade Tabajara é um bairro de Olinda com 30 (trinta) mil moradores* distribuídos em cerca de 9 (nove) mil residências* que ocupam uma área de cerca de 10 (dez) km quadrados* que está prestes a entrar em colapso urbano por conta da falta de infraestrutura urbana e visão de futuro para o bairro.

A população não aguenta mais a falta de compromisso com o bairro e exige uma audiência pública com o Prefeito Lupércio e secretarias executivas para traçar um plano estratégico de recuperação urbana que torne o bairro um lugar melhor para se viver.

Os principais pontos a serem debatidos com a população em ordem de prioridade, segundo levantamento via rede social da comunidade em Janeiro/2018:

‐ SANEAMENTO E PAVIMENTAÇÃO

A maioria das ruas estão sem calçamento e com esgoto a céu aberto estourado na porta das casas pela falta de planejamento estratégico de saneamento ambiental. Todo o esgoto do bairro é despejado no riacho da Mirueira que conecta com o Rio Fragoso. Não há diálogo sobre o plano de saneamento para o território; proteção das matas ciliares; calçamento e pavimentação das ruas e avenidas. Este é um tema que persiste por mais de 40 anos no bairro e que provoca transtornos de inverno à verão. O prefeito Lupércio visitou o bairro e prometeu melhorias mas nada de concreto aconteceu além do trivial!

‐ LIMPEZA E COLETA DE LIXO

A coleta de lixo no bairro é diária em algumas partes do bairro mas falta coleta nos principais loteamentos e áreas de sítio. Os resíduos estão acumulados próximos das principais escolas e em terrenos baldios e não é recolhido segundo algum cronograma acordado com a comunidade. Não existe um plano para limpeza do riacho de Mirueira para evitar as enchentes no inverno. Não há campanha de higienização para os comerciantes e moradores com caçambas e lixeiras para uma coleta seletiva em parceria com catadores.

‐ ILUMINAÇÃO PÚBLICA

A iluminação do bairro é composta por postes com lâmpadas antigas, amareladas, o que propicia uma sensação de abandono em diferentes partes do bairro. A avenida PE‐15 está escura em diversos pontos, principalmente nas áreas onde existe circulação de pedestres em direção às paradas de ônibus BRT e ônibus convencional. Poderia haver sinais de trânsito de contagem rápida para a segurança de pedestres.

‐ EDUCAÇÃO/ESPORTES/LAZER

Apesar de ser um bairro com um histórico cultural marcante, que se expressa através de Maracatu, Cavalo Marinho, Boi, Samba de Coco e outros brinquedos populares, o bairro está completamente esquecido no que se refere à estrutura de lazer. Não existe parques para o lazer das crianças, academias públicas para práticas de esporte; quadras poliesportivas e ações de incentivo ao esporte para a juventude. O antigo posto policial, no casarão histórico da PE‐15, poderia ser um espaço para lazer e prática de esportes com uma passarela de fácil acesso.

‐ SAÚDE

O bairro possui um equipamento de saúde muito precário. Falta infraestrutura básica no posto de saúde (USF); um acesso decente para os moradores com ruas calçadas e sem perigo de contaminação. Falta médicos com clínica geral para um atendimento emergencial sem necessidade de se deslocar para outras unidades de saúde.

‐ EMPREENDEDORISMO

O bairro tem vocação para o comércio e serviço mas a prefeitura vira as costas para os empreendedores. Não existe reunião para organizar o comércio informal na entrada do bairro. Não existe incentivo com cursos e palestras para inovação e higienização sanitária para o comércio de alimentos na feira ao longo da PE‐15.

‐ SEGURANÇA

O bairro com mais de 30 mil moradores perdeu um posto policial e ficou às minguas sem um plano de segurança para as ruas e avenidas. Não é fácil chegar e sair do bairro no período noturno. O perigo é constante.

‐ MOBILIDADE E TRANSPORTE

A falta de ônibus para a Chã da Mangabeira é um problema histórico. A população da região cresce mas a oferta de transporte está cada vez mais escassa. A dependência de moto‐táxi e a falta de regulamentação é um gargalo que precisa ser resolvido. Em relação aos pedestres, não existe calçadas seguras nas ruas e nas avenidas elas foram ocupadas pelo comércio, o que dificulta a caminhada, principalmente para a população idosa.

‐ PAISAGEM URBANA

Esse bairro merece uma paisagem mais decente. Falta uma organização para a entrada do bairro, que está destruída com entulhos, lixo (plástico) e sem árvores tanto na PE‐15 quanto nas principais avenidas do bairro. As árvores podem diminuir a poluição, o calor e melhorar o bem‐estar dos pedestres. Não existe incentivo para o plantio no intuito de melhorar a paisagem do bairro e torna‐lo mais verde.

* DADOS IBGE/INEP
http://culturaeduca.znc.com.br/equipamento/escola_detalhe/26114860/#fndtn‐panel‐ficha

https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/olinda/panorama

Postado: 28 Janeiro 2018 (Atualizado: 11 março 2018)