Clique em Configurações de Cookies  para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os  'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies .
OK
MANIFESTO NACIONAL CONTRA A VOLTA ÀS AULAS DURANTE A PANDEMIA

MANIFESTO NACIONAL CONTRA A VOLTA ÀS AULAS DURANTE A PANDEMIA

15,901 assinaram. Vamos chegar a 20,000
15,901 Apoiadores

Complete a sua assinatura

,
Avaaz.org protegerá sua privacidade. e te manterá atualizado sobre isso e campanhas similares.
Esta petição foi criada por Flavia B. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Flavia B.
começou essa petição para
CSP Conlutas
Nós, pais, estudantes, professores, servidores e demais trabalhadores e entidades sindicais de todo o país, somos contrários a volta às aulas durante a pandemia por entender que essa medida colocaria em risco a vida dos membros da comunidade escolar e de seus familiares, além de agravar ainda mais a crise sanitária no Brasil.


Muito longe de estar controlada, a taxa de contaminação do COVID-19 no país segue acelerada, segundo pesquisa recente do Imperial College , e o Brasil é o segundo com maior número de mortos e contaminados, abaixo apenas dos EUA. Mesmo assim, Bolsonaro segue com sua política genocida, fazendo pouco caso das centenas de vidas perdidas a cada dia. Nos estados e municípios, os prefeitos e governadores querem reabrir as escolas para implantar essa mesma política de flexibilização, apesar de não haver nenhuma segurança, nem testes para todos, nem vacina.


As secretarias da educação estaduais, municipais e o MEC, insistem em propor protocolos para a volta às aulas presenciais contrariando as recomendações científicas. Nas escolas, é inviável garantir o distanciamento social, o monitoramento e o uso de máscaras permanente nas crianças e adolescentes, a segurança dos bebês e trabalhadores da educação, assim como garantir a circulação do ar nos ambientes, a higienização dos banheiros e espaços de alimentação para que não se prolifere o vírus.

A maioria das escolas, principalmente nas redes públicas, possuem inúmeros problemas estruturais, falta de espaço e de funcionários. Entre os casos mais graves estão as 10.685 escolas públicas que não têm acesso à água limpa, 8% sem rede de esgoto e 4% sem banheiro! (Censo Escolar 2019).


As crianças não são imunes, e por serem em sua maioria assintomáticas, aumentam as chances de transmissão do vírus. Segundo levantamento recente da Fiocruz, 9,3 milhões de pessoas idosas ou com comorbidades convivem diretamente com crianças em idade escolar e aumentariam as chances de morte. Ademais, muitos dos trabalhadores da educação são do grupo de risco e não poderiam voltar ao trabalho presencial nessas condições.
A preocupação não é, nem nunca foi pedagógica. Os governos que não se importam com a vida, se importam muito menos com o aprendizado. O objetivo da volta às aulas é unicamente para que os pais voltem integralmente ao trabalho, conforme a necessidade do capital, ainda que tenham que arriscar sua vida, de seus filhos e familiares.

Os mesmos governos que não garantiram a quarentena, agora querem impor a flexibilização total, naturalizando as mortes e a contaminação como parte de um “novo normal”, no qual os trabalhadores, pobres, negros e negras e moradores das periferias morrem mais, e estarão ainda mais expostos se seus filhos retornarem às escolas. Mas para nós, a vida vale mais que os lucros.

Por isso não seremos corresponsáveis por esta política criminosa, que vai expor a comunidade escolar e seus familiares à contaminação e ao risco de morte.
Defendemos também que durante esse período seja garantida a segurança alimentar dos estudantes e suas famílias, assim como os salários sem redução de direitos.

Nos somamos à luta pela quarentena geral e real com garantias sociais aos trabalhadores, autônomos e desempregados. Não podemos permitir a volta das aulas presenciais neste contexto. Por isso é fundamental a construção de uma ampla mobilização nacional em unidada com a CNTE, sindicatos, centrais, movimentos sociais e toda a sociedade em defesa da vida. E se preciso for, que esse movimento culmine na construção de uma greve sanitária nacional da educação.


Conteúdo se recupera. As vidas perdidas não.

#EscolasFechadas
#EmDefesadaVida


Postado (Atualizado )