Clique em Configurações de Cookies para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os 'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
SUSPENSÃO DA VENDA DE AÇÕES ALUGADAS na Bolsa de Valores

SUSPENSÃO DA VENDA DE AÇÕES ALUGADAS na Bolsa de Valores

26 assinaram. Vamos chegar a   100
26 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Vicente Zancan F. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Vicente Zancan F.
começou essa petição para
CVM, B3, Presidente da República, Congresso Nacional
A Bolsa de valores é maravilhosa: proporciona renda por permitir investimento produtivo, gerando empregos e riqueza a todos, bem como gera igualdade de oportunidades com pobres e ricos podendo ser sócios.

Embora a liberdade seja típica do Mercado, restrições também o são, especialmente para proteger "a vida" dos investidores, da sociedade, da economia, a saber, o capital.

Em momentos de crise econômica forte, com manifesto interesse nacional para proteger pessoas, empresas, patrimônios, remunerações, aposentadorias, empregos, força monetária, liquidez, é nítida a necessidade e a adequação de restrições, como a SUSPENSÃO DA VENDA DE AÇÕES ALUGADAS (VENDA A DESCOBERTO E ALUGUEL DE AÇÕES).

É o que PEDIMOS às Autoridades!

Que seja livre o aluguel de ações para o locatáio (tomador) receber proventos no lugar do proprietário (donatário).

Que siga livre ter lucro quem aposta na subida do preço da ação: primeiro a compra, depois a vende por preço acima e fica com a diferença.

Que siga livre ter lucro quem aposta na queda do preço da ação: primeiro vende a ação própria, depois a recompra por preço abaixo e fica com a diferença.

Mas que se suspenda alguém vender ação alugada, que não é sua, só por apostar na queda do preço e ficar com lucro sobre um patrimônio de terceiro, que nunca foi próprio, da mesma forma que quem é dono de uma ação não pode lucrar com a subida de cotação de empresa que não é sua.

Pois momentos de crise sócio-econômica acentuada exigem união da sociedade e não uns apostando contra os outros em conduta por todos sabida que no fim das contas, nessas horas, gera prejuízo generalizado por pessoas venderem o que não lhes pertence e, diante da fragilidade, da doença alheia, obterem lucro fácil a partir do prejuízo doloso causado ao próximo.

É mais real, próspero e humano que todos sejam acionistas, ganhando juntos.
E não que se deixe livre o sujeito disposto a apostar o que tem para conseguir se apropriar do patrimônio alheio.

É preciso haver igualdade e coerência sócio-econômica ao país, à Economia, ao capital, à sociedade, aos empregos, à melhora de qualidade de vida por crescimento econômico. E se essa lógica de permissão de venda de ações alugadas fosse mesmo correta também seria permitido locatário de imóvel vender o bem que alugou, passageiro vender o táxi durante a corrida, torcedor vender ingresso que nunca comprou para ir ao estádio, cliente emprestar dinheiro de banco, eleitor não votar a favor de um candidato e sim apenas contra outro...

Já passou da hora de ser separada realidade de fantasia. Pessoas, empresas e patrimônios são reais, enquanto apostas são jogo de ficção. E o referido sistema da Bolsa mistura ambas as coisas, em pleno século XXI ainda permitindo que pessoas autodestrutivas arrisquem tudo o que têm para tentar se apropriar de tudo o que é alheio. A venda de ações alugadas é ficção que deveria ser separada da realidade de se vender ações próprias, deixando-se os apostadores livres em cassinos e não na Bolsa de Valores.

Isto é: vender o que não lhe pertence é logicamente errado e em alguns casos chega a ser estelionato. Aliás, o Brasil e outos países proíbem cassinos, mas liberam a sua essência na Bolsa, que deveria ter um sistema sério por ter efeito enorme e constante sobre a vida de todas as pessoas. Nesse sentido, a venda de ações alugadas deveria ser cancelada, proibida pra sempre, e sim oportunizado ao dono da ação a alugar para locatário usar e fruir do papel, recebendo proventos, tendo direito a voto etc. Todavia, como "acordo" sensato entre favoráveis e contrários à (im)possibilidade da venda de ações alugadas, nesta petição sugerimos apenas a suspensão desse tipo de negócio durante momentos de grave crise sócio-econômica, em prol do país, da sociedade, da economia, das pessoas, das empresas, dos empregos, das remunerações, das aposentadorias, da liquidez etc.

O próprio "Circuit Breaker" já existente (pausa nas negociações na Bolsa diante de quedas fortes) mostra que suspensões e restrições são sim adequadas e necessárias em alguns momentos e que a liberdade total leva ao caos e não à organização e prosperidade.

TODAS as pessoas, acionistas ou não, deveriam divulgar essa petição.

Pois TODOS são vítimas da crise, do desemprego, da falta de serviços e estruturas públicas melhores como efeito de crescimento menor...
Postado: 16 março 2020 (Atualizado: 17 março 2020)