Clique em Configurações de Cookies para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os 'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
CONTRA A PRECARIZAÇÃO, NÃO AO ENSINO REMOTO! MAIS ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL!

CONTRA A PRECARIZAÇÃO, NÃO AO ENSINO REMOTO! MAIS ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL!

588 assinaram. Vamos chegar a   750
588 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por DAPSI U. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
DAPSI U.
começou essa petição para
Governo Bolsonaro, Ministro Weintraub, MEC, ANDIFES e reitorias de universidades públicas.
CONTRA A PRECARIZAÇÃO, NÃO AO ENSINO REMOTO! MAIS ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL!

Quarentena geral já!

Nós, estudantes, entidades e organizações abaixo-assinados, enxergamos a tentativa de implementação do ensino remoto e o EAD nas universidades como parte de uma falsa alternativa da política nacional do Governo Bolsonaro para a retomada das aulas no cenário caótico da pandemia. Infelizmente, algumas reitorias estão apoiando essa medida.

Querem que voltemos às atividades como se tudo estivesse normal, ignorando todo o desdobramento social da situação que estamos atravessando, no qual o número de casos e mortes não para de subir e os sistemas de saúde e funerário entram em colapso. O que debilita ainda mais a saúde física e mental dos estudantes, técnicos, terceirizados e professores.

Entendemos e compartilhamos da preocupação de muitos estudantes com o calendário, o atraso na formação e os problemas que o coronavírus trará para as universidades, mas não acreditamos que a solução seja implementar a modalidade não presencial para as e os estudantes nesse momento. Principalmente, porque desde o início Bolsonaro está defendendo uma política negacionista e genocida contra o isolamento. Até os prefeitos e governadores, que em algum momento aplicaram isolamentos parciais, começam a flexibilizar as medidas no momento em que nos aproximamos do pico do contágio. É preciso lutar por uma quarentena geral, com renda e salário para todos!

O EAD aprofunda a desigualdade e a exclusão!

Concretamente, acreditamos que não seja possível implementar essa modalidade de forma justa, igualitária e acessível. Ao contrário, a implementação torna as universidades ainda mais excludentes e mais inacessíveis para estudantes pobres. De acordo com a V Pesquisa Nacional do Perfil Socioeconômico e Cultural dos graduandos das IFES (Institutos e Faculdades Federais) de 2018, 27,4% dos estudantes cobertos pela assistência estudantil relatam dificuldade financeira como fator para abandonar a faculdade e 52,8% dos discentes já pensaram em abandonar o curso/faculdade. Entre os motivos os mais comuns para a evasão estão dificuldade financeira (32,8%), dificuldade de conciliar trabalho e estudo (23,6%) e problemas de saúde (21,2%).

Além das questões socioeconômicas, o modelo desconsidera as condições de acesso tecnológico e de ambiente doméstico propício para o estudo, automaticamente excluindo estes estudantes das aulas. Revela também sua natureza excludente ao não garantir um modelo de educação acessível para estudantes com deficiência.

Alguns setores estão defendendo a implementação, acreditando que seja apenas para esse momento de pandemia, mas além de não considerarmos a adoção da modalidade uma alternativa, por todos os problemas que mencionamos aqui, acreditamos que o governo Bolsonaro fará tudo que puder para dar continuidade e para ampliar essa implementação, já que sua preocupação não é com nossa formação, com a inclusão de todas/os as/os estudantes ou com a qualidade e gratuidade da universidade pública. Tanto é que o Weintraub pressiona a implementação do Ensino Remoto ameaçando novos cortes de verba.

Necessitamos de assistência estudantil para garantir quarentena geral! A prioridade é a vida! 

Na UFF, por exemplo, mais da metade dos estudantes são provenientes de ações afirmativas e se mantém na universidade a partir de bolsas e auxílios ou da venda de produtos nas banquinhas espalhadas pelos campi, o que é inviável durante esse momento de pandemia. Com a sequência de cortes do governo federal e estadual nas bolsas e auxílios e com a dificuldade imposta pelo governo para acesso ao Auxílio Emergencial, muitos estudantes encontram-se desassistidos durante um período de grave crise sanitária e econômica.

A prioridade das reitorias deve ser garantir que os estudantes mais pobres, os que mais possuem dificuldades em acessar e permanecer no ensino superior, sejam realmente considerados; para isso, os nossos esforços e recursos devem estar voltados em garantir políticas de assistência estudantil:

1) que não se corte as bolsas atuais, independentemente do tempo que fiquemos sem aulas;

2) que os estagiários não sejam demitidos;

3) Ampliação da política de assistência estudantil, com a criação de auxílios emergenciais para esse momento;

4) Que se mude a regra de acesso à bolsa emergencial, permitindo que alunos que já tenham recebido em outro momento, possam ter direito a ela novamente durante a pandemia.

Esse é a única forma de garantir que os estudantes possam ficar em casa em uma quarentena sem fome!

Em defesa do tripé ensino, pesquisa e extensão!


O EAD rompe com o projeto de educação que nós defendemos e não garante o tripé de ensino, pesquisa e extensão, oferecendo apenas um ensino bastante precarizado, a partir do momento em que apenas o ensino é priorizado, a pesquisa fica aquém da necessidade social e a extensão é novamente esquecida, impossibilitando a universidade de dialogar diretamente com a sociedade. A extensão precisa ser uma via de mão dupla na troca de conhecimento entre universidade e a sociedade, realizada de maneira popular e é através do reconhecimento do importante papel da extensão que hoje a universidade pode ampliar seus esforços de combate ao COVID-19, com a fabricação de EPIs e respiradores.

Com a proposta atual do Ensino Remoto, o MEC busca aprofundar as desigualdades por nem mesmo oferecer uma plataforma aos estudantes, deixando universidades ao acaso e com a tarefa de encontrar magicamente, de um dia pro outro, um novo modelo de ensino, indo para além do sucateamento habitual do EAD e deixando-o ainda mais gritante.

Apesar dos profundos cortes na educação nos últimos anos, principalmente devido a EC 95, que congelou o investimento pra educação sem realizar o reajuste adequado das verbas, as universidades têm se colocado na linha de frente para lutar contra as propostas ultraliberais de Paulo Guedes. Os cortes na CAPES e na CNPQ antes e durante a pandemia foram inclusive um ataque direto a estas instituições que vem, através da pesquisa científica de qualidade e da mobilização e organização dos estudantes, rejeitando categoricamente as medidas que vêm sendo apresentadas pelo governo federal, que pretende aprofundar a elitização do ensino.

Hoje, as universidade têm demonstrado um papel fundamental no combate ao COVID-19, através das pesquisas, como a que resultou no sequenciamento do vírus, na produção de álcool em gel, testes, máscaras, faceshields e respiradores para a rede pública de saúde.

Defender a educação pública!

Se o objetivo de algumas reitorias é evitar a evasão das/dos discentes, a solução é uma política concreta de assistência estudantil e não a implementação de uma modalidade de ensino que abre um grande espaço para a precarização. Ainda que o modelo se apresente apenas como uma medida emergencial e temporária, não podemos perder de vista o projeto de ataque à Ciência e Educação defendido por Bolsonaro e Weintraub, tanto que encaminharam essa semana ao Congresso o Projeto “Future-se” que objetiva a privatização das universidades.

Nesse sentido, não podemos confiar nem um milímetro que essa modalidade emergencial não servirá de pavimento para a real aplicação do ensino à distância na educação pública. As reitorias precisam ser parte da luta contra o governo Bolsonaro, exigindo também mais verbas para educação e para a assistência estudantil. Afinal, existe dinheiro no país. Precisamos de um plano econômico alternativo, que os ricos paguem a conta da crise! Precisamos lutar, como tem feito as trabalhadoras e trabalhadores da saúde que exigem EPIs e condições de trabalho! Não ao EAD/Ensino Remoto, o sonho de milhares de jovens de permanecer no ensino superior não pode ser interrompido (nem precarizado)! Em defesa da educação pública, gratuita, de qualidade e inclusiva!

Campanha Contra a precarização, não ao Ensino Remoto! Mais Assistência estudantil!



São parte da construção da e desse abaixo assinado as entidades e organizações listadas abaixo, convocamos também que se somem a essa luta conosco!

Entidades e Organizações Rio de Janeiro

Rio de Janeiro
UFF
  • DAPSI, Psicologia - UFF/Niterói
  • CAPTA, Psicologia - UFF/Volta Redonda
  • CAPSI, Psicologia - UFF/Rio das Ostras
  • CAAP, Administração Pública - UFF/Volta Redonda
  • NECINE, Cinema e Audiovisual - UFF/Niterói
  • DAMK, Serviço Social - UFF/Niterói
  • DALA, Biologia - UFF/Niterói
  • DAJuP, Biomedicina - UFF/Niterói
  • DACL, Química (bacharelado e licenciatura), Física e Matemática Computacional - UFF/Volta Redonda
  • DASAN, Sociologia, UFF/Niterói
  • CAFIL, Filosofia, UFF/Niterói
  • CALUFF, Letras, UFF/Niterói
  • Coletivo Negro Classista - Serviço Social UFF de Niterói
  • UJC - Fração UFF
  • Movimento por uma Universidade Popular - MUP
  • COMUNA 
  • Resistência Popular Estudantil - RJ
  • Afronte! UFF
________________________________________________

Entidades e organizações Minas Gerais

UFMG
  • Centro Acadêmico Willian Rosa, Geociências

UFU 
  • Centro Acadêmico de História CAHIS - UFU
________________________________________________
Entidades e organizações do Pará

UNIFESSPA
  • DCE JR - UNIFESSPA
UFPA
  • Centro Acadêmico de Meteorologia (CAMET) - UFPA Belém
  • Centro Acadêmico de Matemática (CAMAT) - UFPA Breves 
  • Centro Acadêmico de Desenvolvimento Rural (CADER) - UFPA Belém
  • Centro Acadêmico de Engenharia Florestal (CAEF) - UFRA Belém
  • Centro Acadêmico de Engenharia Elétrica e Biomédica (CAEEB) - UFPA Belém
  • Centro Acadêmico de Ciências Sociais - Hecilda Veiga (CACS) - UFPA Belém 
________________________________________________
São Paulo

UNICAMP
  • CACO - Centro Acadêmico de Computação
________________________________________________
Rio Grande do Sul

UFSM
  • DAQUIPALM - Diretório Acadêmico de História Quilombo dos Palmares
______________________________________________
Entidades e organizações Nacionais
  • Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal (ABEEF) - Brasil
  • Juventude Vamos à Luta
Postado: 1 junho 2020 (Atualizado: 3 agosto 2020)