Clique em Configurações de Cookies para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os 'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies .
OK
Espanhol, Francês e Filosofia na RME-POA

Espanhol, Francês e Filosofia na RME-POA

16,114 assinaram. Vamos chegar a 2,000
16,114 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Avaaz.org protegerá sua privacidade. e te manterá atualizado sobre isso e campanhas similares.
Esta petição foi criada por Monica R. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Monica R.
começou essa petição para
Prefeitura e Secretaria de Educação de POA
Esperam-se providências da Secretaria de Educação no sentido de incluir as disciplinas de Espanhol, Francês e Filosofia no concurso público para professores, vagas 605 a 612, regido pelo edital 22/2020, ou, pelo menos, contemplá-las em edital de concurso suplementar.
Essas três disciplinas já fazem parte do currículo escolar da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME-POA) – conforme o Caderno de nº 9 da Secretaria Municipal de Ensino de Porto Alegre, documento de referência para o ensino organizado em ciclos – que não conta com cadastro de reserva para a substituição dos seus professores em ocasião de aposentadoria ou exoneração.
O ensino de Espanhol, desde dezembro de 2018, é de oferta obrigatória nas escolas públicas do Estado do Rio Grande do Sul (parágrafo terceiro – art. 209 da Constituição Estadual), além de ser idioma oficial de 21 países, sendo sete deles fronteiriços ao Brasil. Além disso, é um dos idiomas oficiais do Mercosul (em conjunto com o Português e o Guarani), sendo essencial para o relacionamento econômico e sociocultural dos países que integram o bloco.
O Francês é uma língua de extrema importância nas áreas diplomática, científica e cultural, sendo a língua oficial de organizações internacionais como a ONU, a OMC, Cruz Vermelha, Médicos Sem Fronteiras, COI, FIFA, entre outras. No entanto, nos últimos anos, o idioma vem perdendo espaço nas escolas públicas. No último concurso, em 2014, havia apenas uma vaga para língua francesa e, somente ao final da sua vigência, em 2018, uma professora foi nomeada e tomou posse.
Segundo pode-se observar, há um número excessivo de necessidade de quadro de Filosofia nas escolas de Porto Alegre. Temos, além disso, professores de outras áreas dando aulas dessa disciplina. O secretário, não abrindo vagas nesse concurso, pretende minimizar ou aumentar o problema já existente? É importante reforçar que a Filosofia consta em todos os currículos de qualidade na formação de crianças, jovens e adultos. Foi sempre um diferencial em nossa rede, uma conquista do cidadão porto-alegrense e um diferencial necessário na formação das classes excluídas e vulneráveis! Por que esse governo busca retirar mais esse importante direito de nossos alunos e alunas?
Dessa forma, valorizar o ensino das referidas disciplinas em nossas escolas - espanhol, francês e filosofia - implica compromisso com a educação pública de qualidade!



Postado: 29 julho 2020 (Atualizado: 13 agosto 2020)