Clique em Configurações de Cookies para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os 'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Nós, Budistas Pela Democracia, viemos nos juntar à Comunidade de Budistas Progressistas e à Comunidade Zen Budista do Vale dos Sinos e apresentar a seguinte NOTA PUBLICA:

Nós, Budistas Pela Democracia, viemos nos juntar à Comunidade de Budistas Progressistas e à Comunidade Zen Budista do Vale dos Sinos e apresentar a seguinte NOTA PUBLICA:

348 assinaram. Vamos chegar a   1,000
348 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Gabriela S. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Gabriela S.
começou essa petição para
Budistas e simpatizantes apoiadores de uma cultura de paz e da democracia.
Nós, Budistas Pela Democracia, viemos nos juntar à Comunidade de Budistas Progressistas e à Comunidade Zen Budista do Vale dos Sinos e apresentar a seguinte NOTA PUBLICA:

Diante do momento extremamente delicado que estamos vivenciando no Brasil, sentimo-nos chamados, como budistas, a fazer a nossa parte. Ser Budista é, por definição, estar presente no presente, de forma engajada, acolhendo tudo o que acontece com sabedoria compassiva e responsabilidade de diminuir o sofrimento no mundo.

Portanto, aqui estamos, acolhendo o nosso presente com o propósito de promover a paz e a compaixão. A iminência de uma escolha política que poderá levar a consequências dramáticas para nosso país nos chama a dedicar esforços contra a recente tendência ao ódio e à violência.

Compreendemos a ação compassiva como um caminho para contribuir de forma sensível, responsável, afirmativa e pacífica com a luta pela não instalação de um governo autoritário, opressivo e contrário aos direitos fundamentais dos brasileiros, principalmente dos mais pobres.

Faz-se necessário, portanto, alertar quanto à manipulação exercida por promessas de pessoa autoritária, a qual se aproveita da insegurança instalada no país, reforçando a ideia de ordenamento através do uso da força e da coerção, legitimando atos que estimulam a intolerância e a raiva.

Recentemente, em Porto Alegre, o símbolo nazista foi riscado, por agressores, na pele de uma jovem que se identificava com o movimento #EleNão.

Importante considerar que o símbolo em questão não foi originalmente criado pelos nazistas. Trata-se de um símbolo milenar também usado no budismo, embora com distinta estrutura e significação. Sabe-se que este símbolo é muito antigo, com aproximadamente 5 mil anos, e seu nome deriva da palavra svástika, do Sânscrito, idioma ancestral da Índia, cujo significado é bem-estar, ou seja, algo altamente positivo. Foi utilizado ao longo da história por vários povos, tais como: índios Navajos, Celtas, Judeus, Cristãos, gregos e romanos.

No caso do budismo japonês, em que é chamado de manji, ele também é um símbolo importante, e representa a harmonia universal, equilíbrio entre os opostos, eternidade e boa sorte.

O fato de o nazismo ter utilizado símbolo semelhante, mas com conotação negativa, conforme a elaboração de sua ideologia delirante, o resgate do mítico povo Ariano, representando a "limpeza étnica", inteligência (supostamente) superior, orgulho, ódio, discriminação e destruição de comunidades consideradas inferiores, não permite, absolutamente, realizarmos comparações.

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, este símbolo, que durante milhares de anos foi associado à positividade, foi transfigurado, em menos de trinta anos, em um símbolo assemelhado e repudiado.

É importante, pois, mostrar claramente as diferenças no uso deste símbolo, a svástika, entre os budistas, tão diametralmente oposto ao que dela fazem os grupos que, neste momento, promovem o ódio no Brasil.

Portanto, com o intuito de preservar uma cultura democrática e de paz, reafirmamos o nosso apoio aos candidatos Haddad e Manuela e aos grupos do campo democrático.

Pois, embora os nossos propósitos sejam regidos por valores que transcendem este momento histórico, isso não nos isenta de intervir nele com responsabilidade.

subscrevem esse texto:
1. Adilson Roberto Bellé 2. Adilson Rodrigues Pereira 3. Aisla Mendes 4. Alcio Braz 5. Alice Vinagre 6. Aline Angeli 7. Aline Severo da Silva 8. Amanda Lautert 9. Ana Cláudia de Araújo Teixeira 10. Ana Cláudia Kasseboehmer 11. Ana Paula Magalhães 12. Ana Paula Tavares 13. Andrea Travassos 14. Aneri Maria Strack 15. Ângela Hofmann 16. Arthur de Oliveira d'Arede 17. Audrey Ruggiero Pilli 18. Carli Maria Batista Jansen 19. Carlindo Pombo Filho 20. Carmelina Costa 21. Cátia Regina de Oliveira Melo 22. Celina Cabrales 23. Celso de brito 24. Claudia de Oliveira d'Arede 25. Claudia Travassos 26. Coeli Maria Batista de Ataíde. 27. Cristiane Rossetto 28. Cristiane Santos 29. Cristiane Traiber 30. Dagmar Camargo 31. Dalva Lessa 32. Daniel Matheus da Silva 33. Daniel Tavares 34. Danielle Ferreira Gomes Moura 35. Débora Alves 36. Eduardo Hernandes Dutra 37. Eliane Pastorello 38. Eliane Stahlberg 39. Elke Beatriz Riedel 40. Erick Galindo 41. Erick Migge 42. Erick Silva 43. Etienne Janiake 44. Fabiana Montin 45. Fabio José Alfredo Santos da Rocha 46. Fabricia Teodoro Costa 47. Fátima Carneiro 48. Fernanda de Queiroz Miranda 49. Fernanda Rosa 50. Fernando Rolla 51. Flor Roxana Nahui Bravo 52. Florenza Monjardim 53. Florice Pereira Gogadze 54. Francisco Mecking 55. Gabriela Mariante de Abreu 56. Gabriela Sencades 57. Giovana Diaz 58. Gislene Maia de Macêdo 59. Gracinha Melo 60. Helbert Júnio De Oliveira 61. Ira Maciel 62. Ivone Leite Sombra 63. Jade dos Reis Colpani 64. Jéssica Fagundes de Souza Vieira 65. José Raimundo 66. Josiane Tibursky 67. Kátia Henke Kraemer 68. Lara de Sena Alves 69. Leila Pereira Leite 70. Liamara Chemello 71. Liane Schneider Tonelotto 72. Lindolfo Coutinho 73. Lua Dallagnol Cezimbra 74. Luciana oliveira 75. Luciano Pinheiro Paltian 76. Luciano Ribeiro 77. Luis Felipe S. Carvalho 78. Manuel Estivalet 79. Marcelo Ceribelli Davanço 80. Marcia Schiavo 81. Maria Augusta Carvalho Teixeira 82. Maria Beatriz Bispo Florêncio 83. Maria Célia. De Santi 84. Maria Eugênia Marques 85. Maria Eunice Limoeiro Borja 86. Maria Helena Lima Ortiz Boésio 87. Marion Buava dos Santos 88. Marize Vargas 89. Martha Naves 90. Maura Cristiane Santana Carneiro 91. Nela Maria Setúbal de Castro 92. Olga Curado 93. Péricles Borba 94. Priscila Oliveira Monteiro Moreira 95. Rafael Mundim 96. Rita de Cássia Sampaio 97. Roberta Lira 98. Roberto Carvalho 99. Rodrigo Passos da Silva 100. Rosana Araújo 101. Sandra Regina Amorim 102. Selma Tavares 103. Sérgio Augusto Sardi 104. Shakti Janiake Bartulihe 105. Tamine Elmôr 106. Tereza Cristina L Galindo 107. Thainá Soares Ribeiro 108. Thaïs De Arantes Leite 109. Thereza Vivianne A F Gomes 110. Thiago Albuquerque Sampaio Rebêlo 111. Tony Leonardo Carvalho de Barros 112. Valeria Ivaniski 113. Valeria Sattamini 114. Vanessa Chaves
Postado: 13 outubro 2018 (Atualizado: 16 outubro 2018)