Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Congresso Nacional: Inclusão da Igualdade de Gênero no PNE (Plano Nacional de Educação)

Congresso Nacional: Inclusão da Igualdade de Gênero no PNE (Plano Nacional de Educação)

1,154 assinaram. Vamos chegar a   2,000
1,154 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Ninguém Merece Ser E. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Ninguém Merece Ser E.
começou essa petição para
Congresso Nacional

O PNE (Plano Nacional de Educação) encontra-se no Congresso Nacional desde 2010 e anuncia uma série de metas para o setor educacional: desde a educação infantil à pós graduação.


Nas próximas semanas acontece a jornada conclusiva do texto: depois de ser analisado pela Câmara e Senado, ele retornou aos deputados, que podem apenas aceitar o texto proposto pelos senadores ou reaver a redação aprovada pela Câmara em 2012.

A questão de gênero - cujo tema principal visa combater duramente as práticas preconceituosas e discriminatórias iniciadas na infância - é o grande alvo de toda polêmica que envolve o Plano Nacional de Educação, já que obriga educadores a discutir com os alunos a equidade de gênero, seja qual for. O problema é que muitos religiosos protestam e defendem duramente a exclusão deste trecho que - para eles - é apenas um "detalhe" que contradiz sua moral.

Infelizmente, o sistema de ensino brasileiro ainda cultua - mesmo que de forma inconsciente - toda uma carga de discriminação histórica que existe na sociedade contra as mulheres e - desta forma - o preconceito, desigualdade e machismo são reproduzidos. Vamos lutar por novas gerações que não compactuem com a diferença de forma negativa entre homens e mulheres e - para tal - faz-se necessário reverter o lado perverso das estatísticas que ainda apontam para uma disparidade de gênero.

As crianças de hoje serão os adultos pensantes - conscientes ou não - do amanhã e esta escolha encontra-se em nossas mãos; são elas a esperança de um futuro melhor, mais justo e equilibrado em todos os sentidos; são as sementes plantadas para colhermos na fase adulta.
Entra, então, o importante papel da educação para conscientização, desde cedo, destas mentes em processo de evolução.


A Escola precisa ter um papel determinante e ser um contraponto positivo à educação familiar, pois ninguém nasce com preconceitos, mas os aprende. A Escola precisa ensinar à criança não apenas a ler, escrever, fazer contas, aprender geografia, ciência, mas também ensiná-la como ser uma pessoa conscienciosa, adepta da cultura da tolerância.


Algumas sugestões que serão tratadas de forma lúdica e na linguagem correta para a criança:

- Abolir os estereótipos de gênero que são as representações perpetuadas em nossa sociedade sobre o que um Homem deve ou pode fazer de um lado; o que a Mulher deve ou pode fazer do outro. Lembrando que fica o Homem em evidente vantagem.

- Exterminar os papéis sociais de gênero que englobam os comportamentos ao longo da história, que valorizam certas atividades como sendo de homem e outras como de mulher.


- Extinguir - através da conscientização - a discriminação indireta.

- Acabar com os termos e linguagem que são paradigmas das desigualdades como: o emprego do gênero masculino para incluir homens e mulheres.