Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Vitória
Mais uma batalha Vencida!!!

Mais uma batalha Vencida!!!

Vitória
14,456 assinaram. Vamos chegar a   20,000
14,456 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Etèmí Flavia de O. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Etèmí Flavia de O.
começou essa petição para
Justiça Federal
MPF recorre de decisão da Justiça que não reconhece umbanda e candomblé como religiões.

Porque fere o estatuto de Igualdade Racial onde nos protege quanto a Intolerância Religiosa oriunda de outras religiões sobretudo a Evangélica. Nos excluir enquanto religiosos, é criar para toda comunidade de terreiro afro-descendente um grande constrangimento, é dar força ao preconceito em relação aos umbandistas e candomblecistas. Nossas crianças seriam alvo de chacota e humilhação em suas escolas, nossa luta em prol da igualdade etnica também seria ferida, logo que a maior parte dos adeptos da Umbanda e Candomblé são negros. Se não temos uma "bíblia" é porque somos uma religião iniciática. Nenhum adepto que não seja iniciado não pode ter acesso aos nossos fundamentos. É preciso ser iniciado para tal, ou seja, nosso ensinamento é passsado após processo de iniciação dentro do culto. É um processo de aprendizagem prática e não por leitura. Há de se respeitar a forma como cada religião resolve entre si passar seus ensinamentos. É importante nos reconhecer por todos esses motivos que ainda são poucos diante de toda expressão, de todo legado que os negros outrora já tão oprimidos e escravizados, nos deixaram.