Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia: Queremos justiça no caso do adolescente Davi Fiúza.

Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia: Queremos justiça no caso do adolescente Davi Fiúza.

1,231 assinaram. Vamos chegar a   2,000
1,231 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Lilith Veiga A. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Lilith Veiga A.
começou essa petição para
Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia

A dona de casa Rute Fiuza, de 46 anos, moradora do bairro de Periperi, em Salvador, denunciou à Corregedoria da Polícia Militar o desaparecimento do filho de 16 anos após uma abordagem realizada por agentes do Pelotão de Emprego Tático Operacional (PETO) e Rondas Especiais (Rondesp), no bairro de São Cristóvão, no dia 24 de outubro deste ano. O jovem morava no bairro com o pai e está desaparecido desde a operação, segundo a família.

De acordo com Rute, a operação policial ocorreu por volta das 7h, numa localidade conhecida como Vila Verde. Ela relata que vizinhos que testemunharam a operação viram o momento em que o filho foi abordado por agentes da Peto, quando conversava com uma moradora da região, e colocado dentro de um carro que não possuía plotagem policial.

"Os policiais amarram os pés, as mãos e o encapuzaram com a própria roupa. Depois, jogaram no porta-malas", denunciou Rute. Durante a operação, a mãe do adolescente relatou que os policias chegaram a invadir a casa de alguns vizinhos.

Desde o dia do desaparecimento, Rute detalha que tem percorrido delegacias, Insituto Médico Legal e até locais de desova de corpos. "Essa tem sido minha rotina. A PM fez o favor de tirar o meu filho de mim", disse. Ela ainda ressaltou que o filho não tem envolvimento com drogas ou passagens pela polícia e, por isso, o caso estaria causando indignação entre vizinhos e membros igreja do bairro.

A mãe da adolescente disse que foi procurada pela Corregedoria da Polícia Militar na quinta-feira (6) e recebeu a informação de que o órgão está apurando o caso. Em nota, a PM disse que está apurando o desaparecimento e que mãe da vítima e testemunhas já foram ouvidas pela Corregedoria.Nós exigimos providências urgentes,que seja dada uma resposta à família e a toda a sociedade.