Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK

STF: Proteja a infância, não derrube a classificação indicativa!

Aos Excelentíssimos Senhores e Senhoras Ministros e Ministras do STF:

Diante do impacto causado por determinados conteúdos da TV, nós, cidadãos/ãs brasileiros/as, pedimos que o STF mantenha a Classificação Indicativa com vinculação horária. Caso esta Corte atenda ao pedido da ADI 2404, a principal de proteção de nossas crianças, que muitas vezes ficam sozinhas diante da TV, será totalmente desrespeitada. Hoje, a Classificação representa sua mínima garantia à saúde física e mental. É uma política em pleno funcionamento, respeitada pelas emissoras e aprovada pelas famílias. Mudá-la somente trará prejuízos à sociedade. Assim, contamos com vosso apoio, em nome do futuro dos meninos e meninas de todo o Brasil.

Já participa da Avaaz? Digite seu email e clique "Enviar":
Primeira vez? Por favor preencha o formulário:
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Postado:  8 março 2016
O STF está prestes a definir se continua protegendo nossas crianças de conteúdos televisivos inapropriados ou se abre a porta para as emissoras escolherem o que nossos filhos podem ver ou não, em qualquer horário, sem restrição. Assim, crianças e adolescentes, que ainda não têm formação, poderão ser inundados com conteúdo adulto e violento quando a maior parte dos pais está trabalhando, fora de casa. 

A classificação indicativa existe em vários países, como EUA, França e Canadá. Aqui no Brasil, funciona desde 2006. Mas as emissoras querem acabar com a regra e para isso moveram uma ação no STF. Alegam que isso viola a liberdade de expressão dos canais, mesmo que as multas só possam ser aplicadas pela Justiça, após ampla defesa. 

Quatro ministros do Supremo Tribunal Federal já votaram a favor das emissoras e um ministro votou contra. Agora o STF está prestes a voltar a julgar a ação. É hora de alertarmos o Supremo para esses riscos. Por que mudar o que está dando certo, em nome dos interesses das TVs, se o fim da classificação trará inúmeros prejuízos para nossas crianças?

Não podemos permitir -- assine a petição e envie para todos.

Compartilhe nas redes

Clique para copiar: