Update your Cookie Settings to use this feature.
Click 'Allow All' or just activate the 'Targeting Cookies'
By continuing you accept Avaaz's Privacy Policy which explains how your data can be used and how it is secured.
Got it
We use cookies to analyse how visitors use this website and to help us provide you the best possible experience. View our Cookie Policy .
OK
Programa emergencial de proteção de mestre(a)s e detentores dos legados culturais do ES

Programa emergencial de proteção de mestre(a)s e detentores dos legados culturais do ES

30 have signed. Let's get to 100
30 Supporters

Close

Complete your signature

,
By continuing you agree to receive Avaaz emails. Our Privacy Policy will protect your data and explains how it can be used. You can unsubscribe at any time. If you are under 13 years of age in the USA or under 16 in the rest of the world, please get consent from a parent or guardian before proceeding.
This petition has been created by Articulação C. and may not represent the views of the Avaaz community.
Articulação C.
started this petition to
Assembleia Legislativa do Estado e Camaras Municipais de Vereadores
Elaborado pelo Grupo PL Legado Capixaba, criado a partir da Articulação Cultural Capixaba do Grupo PL 1075.

Pretendemos este texto  justificar e sensibilizar os leitores e leitoras para petição  do projeto de lei de proteção do legado cultural capixaba. Para isso, vamos demonstrar aqui como o aumento da miséria no estado na atualidade afeta a cultura, evidencia do apagamento cultural como um plano articulado historicamente e que revela o projeto genocida e eugenista público brasileiro e capixaba.
De acordo com informações do censo do IBGE (2010) e dados de pesquisas independentes sabemos que o PIB(produto interno bruto) do estado subiu mais de 200% ( investimento nacional e internacional) enquanto o IDH não se alterou. Pode-se acusar que o IDH é fruto da declaração dos cidadãos, mas o enriquecimento do estado, o aumento da produtividade per capita são incoerentes e paradoxais a situação atual, na qual mais de 30 municípios ( 25% dos municípios) tem mais de 40% de sua população vivendo com menos de ½ salário.
Nos últimos três anos este fosso social tem aumentado, muitas vezes  escondido e velado  pelo controle dos meios de comunicação que justificam a miséria como fruto da violência e não o contrário. Tudo isso revela que o estado capixaba, assim como a própria União, administram o abandono e não cumprem seu papel constitucional de garantir acesso a direitos básicos, tendo os gestores públicos como negligentes ou coniventes com esta precarização e sucateamento da qualidade de vida de cidadãos e cidadãs que pagam impostos públicos.
Em relação a proteção e valorização das matrizes culturais capixaba, informações científicas confirmam a importância do legado dos mestres e mestras para a formação da cultura. A proteção da memória cultural por parte do estado traz o enraizamento do discurso institucional, pois proteger os modos de saber viver e saber fazer tradicionais populares demonstra reconhecimento por parte da institucionalidade pública de sua consciência histórica, reconhecimento de que o país muda, que a sociedade muda, que os valores mudam. Portanto quando o estado assume a dimensão histórica da sua estrutura e das políticas públicas, reconhece que existe uma dívida social, que gera uma estrutura de segmentação racial, por gênero, por regionalidade, que precisam ser rompidas para afirmar a isonomia e a valorização da cidadania e da cultura brasileira.
Possuímos no estado ainda como justificativa deste Projeto de Lei uma memória histórica exemplar e notório, gerada pelas próprias Manifestações culturais tradicionais populares, como pela Comissão Espírito Santense de Folclore, como pelo IPHAN ( Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), como pela luta dos trabalhadores e trabalhadoras da cultura, representados no Conselho Estadual de Cultura.
Desta forma queremos justificar a valorização do patrimônio imaterial na pessoa dos mestres, mestras e detentores como uma tática que pode mudar o futuro do Brasil e do estado do Espírito Santo.
Como conclusão deste artigo é importante ressaltar que o que define a maturidade e qualidade da gestão pública é a aplicação do valor de transparência , não só com aplicação de recurso mas também com conceitos e fundamentos claros.
 De outra forma, quando o estado não assume declaradamente sua dívida social histórica, pelos séculos de exploração e pelo preconceito estrutural advindo da exploração colonial e escravagista, o estado não pode afirmar que se preocupa com a desigualdade social.
Veja o projeto de lei neste link ( grife e cole na barra de endereços):
https://docs.google.com/document/d/1TWF8hno0OKEjUdWVCO9SWaX7ORTyfRHrENAcoPre2fQ/edit?usp=sharing


Posted (Updated )