Clique em Configurações de Cookies para usar este recurso.
Em seguida, clique em 'Permitir Todos' ou ative apenas os 'Cookies Publicitários'
Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies .
OK

Junte-se antes que a última abelha morra

Junte-se antes que a última abelha morra
Anúncio a ser publicado nos principais jornais americanos (clique para ampliar)

Neste exato momento, bilhões de abelhas estão morrendo. Nos EUA, já não há mais abelhas suficientes para polinizar as plantações. Na Europa, apicultores perdem no mínimo 10% de suas abelhas todos os anos.

Estamos enfrentando um holocausto ambiental que ameaça nossa própria sobrevivência -- sem a polinização das abelhas, nosso inteiro ciclo alimentar está em perigo!

Cientistas advertem que pesticidas são tóxicos para as abelhas e que estamos usando muito mais que o necessário em nossas plantações. Gigantes do mercado químico que vendem pesticidas rebatem as críticas financiando relatórios duvidosos, dando tempo para que os políticos atrasem decisões importantes sobre o assunto. É a mesma tática usada por empresas de petróleo sobre as mudanças climáticas.

Mas finalmente poderemos ver uma redução drástica no uso desses produtos tóxicos na Europa, Canadá e EUA esse ano -- e a Avaaz montou um plano para tornar isso realidade:
  1. Levar especialistas em pesticidas para testemunhar em órgãos do governo e para agentes públicos competentes;
  2. Financiar estudos que detalham o quanto as plantações irão se beneficiar sem o uso de pesticidas;
  3. Lançar uma mega campanha junto a políticos que nos ajudem a conquistar a proibição total do uso desses produtos químicos.
Estudos científicos e campanhas globais custam caro. A Avaaz talvez seja o único movimento de financiamento coletivo capaz de arrecadar dinheiro rápido o bastante para bancar estudos sobre como é possível cultivar sem o uso desses venenos. Assim, poderemos rebater os relatórios duvidosos pagos pela indústria farmacêutica. Isso é urgente, e se não agirmos agora, não sabemos quem irá. Doe o que puder -- antes que a última abelha morra.